Back To Top

Mulheres no Poder: lideranças femininas incomodam homens no mercado brasileiro

  /  Creative   /  Mulheres no Poder: lideranças femininas incomodam homens no mercado brasileiro

quote

Agência de marketing digital em São Paulo liderada por mulheres é destaque em inovação e revela machismo no ambiente corporativo Primeiro lugar no Google como agência digital, a Cryah vem ganhando destaque no mercado desde seu surgimento em 2010. Seus resultados agressivos têm chamado a atenção de outras empresas de marketing digital e gerado desconforto em lideranças masculinas. Isto porque mais de.

 

Agência de marketing digital em São Paulo liderada por mulheres é destaque em inovação e revela machismo no ambiente corporativo

Primeiro lugar no Google como agência digital, a Cryah vem ganhando destaque no mercado desde seu surgimento em 2010.

Seus resultados agressivos têm chamado a atenção de outras empresas de marketing digital e gerado desconforto em lideranças masculinas. Isto porque mais de 70% de sua equipe é composta por mulheres, incluindo a fundadora.

O reconhecimento chegou, e a agência de marketing digital é atualmente referência na cidade de São Paulo. Mas a co-fundadora e diretora de marketing da Cryah, Thays Abrantes, revela que desde o início de sua carreira sofreu com o machismo no ambiente corporativo.

“Vi em todo esse tempo como empresária, os homens sempre sendo os “preferidos” nas contratações”, ela conta.

O machismo no Brasil é uma realidade, e dentro das empresas não acontece diferente. Sexismo, assédio e preconceito com maternidade são algumas das situações que mulheres enfrentam todos os dias no trabalho.

Mesmo com toda qualificação e excelência de sua equipe, Thays revela que, constantemente, ela e suas funcionárias têm que enfrentar comentários e insinuações sexistas. “Uma vez em reunião, um homem me revirou do avesso querendo saber se de fato eu que liderava a empresa, se tinha algum “paitrocínio” ou “maridocínio”, porque ele ficou chocado com o fato de uma mulher tocar sozinha uma empresa, e não sabia disfarçar a surpresa”.

O mercado de trabalho para as mulheres

O desafio para ingressar no mercado é tão árduo quanto para crescer dentro dele. Segundo a Organização Mundial do Trabalho (OIT), as mulheres são a maior parcela em índices de desemprego.

Mundialmente, apenas 48% delas possuem um trabalho formal e, quando se trata do escopo de atividades, ainda lhes é delegado um número maior de tarefas em relação aos homens.

Fundada e dirigida por mulheres, a agência de marketing digital Cryah contribui para a reversão desta estatística, promovendo inclusão e empoderamento numa equipe de maioria feminina.

Coordenadora, designer, atendimento, CEO e social media são apenas alguns dos cargos ocupados por elas na empresa.

Os resultados da agência digital Cryah também são notáveis. São mais de 2 mil projetos concluídos nestes 9 anos de existência. Além da carteira de clientes que inclui empresas de peso como Vivo e Santander.

Ainda assim, as profissionais presenciam tentativas de deslegitimação de seus trabalhos no dia-a-dia. “Recebo milhares de perguntas de cunho pejorativo todos os dias… Você abriu a empresa sozinha? A agência é nova? Seus pais te ajudaram? Seu marido é o dono? Tem sócio?…Thays desabafa.

Com currículo invejável, Thays Abrantes é, além de empresária, autora de dois livros, especialista do Programa Inova 360 na Record News e colunista no portal O Segredo.

Além dessas realizações, também é palestrante e ministra workshops e cursos em todo o Brasil. Já palestrou dentro de empresas renomadas como a Google e é referência profissional no que tange marketing digital.

Sua agência, Cryah está entre as mais importantes do segmento no estado de São Paulo, e é socialmente engajada na inclusão de mulheres no mercado de trabalho e em posições de liderança.

Infelizmente, é histórica a necessidade de mulheres fazerem jornadas duplas, triplas, quádruplas… para terem seu trabalho visto com a mesma qualidade do de um homem.

A homogeneização dos sexos nas posições de liderança e a equidade salarial ainda são desafios, mas esta realidade está mudando.

Machismo ficará para trás ou homens ficarão no prejuízo

A pesquisa americana, Closing the Gender Gap, apontou que a igualdade de gênero no mercado de trabalho poderá gerar US$ 2 trilhões para a economia da América Latina até 2025.

Em sete anos, o PIB mundial aumentaria 28 trilhões de dólares com isso.

O que indica que gestores com posicionamento machista terão que se reinventar e se adaptar a realidade dos negócios liderados por mulheres, pois os prejuízos não são apenas financeiros, mas também de imagem.

O que num mundo globalizado como o atual pode significar danos irreparáveis.

Um desafio a ser alcançado pelas empresas, e tratado com a chefia para promoção da igualdade salarial e de gênero em seus departamentos.

O Brasil também acabou de entrar na lista dos 10 países com maior número de mulheres em posições de líder, segundo a publicação International Business Report – Women in Business 2019. O que ilustra bem a nova realidade mundial de mulheres no poder.

Desde o século passado, quando as mulheres conquistaram o direito de trabalhar formalmente e ocupar os mesmos espaços que antes era privilégio masculino, mostraram que são capazes de executar qualquer tipo de tarefa com excelência.

A partir de então, tem sido doloroso o processo de equiparação salarial e de hierarquia, principalmente para cargos mais altos.

Já está mais do que na hora de deixarmos antigos estereótipos e passarmos a exigir que dentro das relações profissionais haja mais respeito e equidade entre os gêneros.

Comments: 1

  • Nicole Burke

    outubro 24, 2017

    Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna aliquam erat volutpat wisi enim ad minim veniam.

Post a Comment